sábado, 12 de março de 2011

A satisfação de pecar

Sansão tinha algo muito especial. Mas ele não resistiu. Em Deus onde estás? C. Mesters diz que quando permitimos que um terceiro se ponha entre nós e Deus, perdemos a força e a coragem e nos tornamos joguete da malícia humana. 

Ninguém cai de uma só vez. Algumas formas de pecar são realmente muito satisfatórias e no momento é tudo o que precisávamos pra nos sentir vivos, talvez. 

José Comblin em Ecologia da Missão diz que o pecado, na humanidade, está estruturado e organizado, "até o ponto de vincular a liberdade das pessoas." A sociedade nos dá muito mais força para o conformismo do que para transformação. Nesse contexto de conformismo Jesus encontra escribas, fariseus, saduceus, anciãos, sacerdotes, romanos que não reagiam de maneira particular, mas, sempre de forma coletiva. Quando alguém não cumpre seu papel na caridade, não se culpa tanto porque a maioria das pessoas também não cumpre.

Se nós, que temos conhecimento de Deus, olharmos o pecado como um erro pessoal nos incomoda bastante, mas se levarmos para a humanidade às vezes não chega nem a tomar o meu tempo pensar nisso. 

Cristo faz com que as coisas comecem a se tornar bem pessoais. Jesus confronta os que se diziam sábios, leva a responsabilidade das ações para eles mesmos. Nem mesmo seu amor tão grande faz com que a salvação se torne coletiva. A responsabilidade da escolha é de cada um. 

O mais gostoso é não nos punirmos porque o preto e o branco se tornaram cinza. Não é tão ruim assim o que fizemos. Mas é aí que estamos nos desviando da missão e de quem nós somos, porque já não dominamos mais nossos pensamentos e carne, mas agora eles é que nos dominam. Nossa identidade fica borrada e adiamos a pureza. Um dia vamos buscá-la de volta.

Nos saciamos com o fato de poder controlar o outro e não sermos controlados. No meio disso tudo, podemos não estar sendo controlados pelo outro, mas certamente, por um caos interior. E o pecado em primeira mão é isso mesmo: Uma ruptura interior. E depois vem a ser algo que influencia na coletividade. Ele ocorre porque algo não está bem, porque nós não estamos satisfeitos. Não existe pecado atrelado à satisfação espiritual. Eu peco porque o meu alvo agora é outro. O pecado nos limita. Temos potencial para ir além, mas nossa visão está turva.

Deus tem tido sempre muita misericórdia de nós. Ele nos mostra que nos momentos em que mais nos achávamos livres e importantes, estávamos mais escravizados do que nunca. 

Querer pecar nos torna aflitos. É uma aflição que vamos carregar enquanto vivermos. David Bosch em Missão Transformadora diz que “se a aflição humana assume muitas formas, o poder de Deus faz o mesmo”. Graças a Deus que intervém em nossos momentos de loucura e nos mostra de uma forma que a gente possa entender que há mais pra nós do que simples tentativas de sermos aqueles que não precisamos ser. Ele nos leva de volta ao rumo mais uma vez.
Hev




4 comentários:

rosangela_pereira23 disse...

É impressionante a sua facilidade em escrever e nós tocar, a sua delicadeza na junção e combinação das palavras é realmente dom de Deus. Esse texto nos leva a refletir e muito o que estamos vivendo nesse momento, a furia da natureza que nos faz pensar: Será que não é a furia do Senhor em ver tanta degradação da vida humana? Parabéns pelo magnífico texto e aproveito para desafia-la a escrever sobre esses acontecimentos que vem ocorrendo no mundo, quero ver a sua visão esplendorosa em relação a esses fenômenos naturais ou "sobrenaturais" Bjo grande!!

Juliana De Nadai disse...

Hev,
gostei muito do contraponto que você faz entre o pecado pessoal e o pecado da humanidade. Incrível perceber que, no nosso conformismo, convivemos passivamente com o homicídio, a corrupção, a ganância. Mas, quando quem os comete é o nosso próximo, experimentamos um medíocre estupor que nos leva, inevitavelmente, a julgá-lo e condená-lo...

Parabéns pelo texto! Deus a inspire sempre mais!!!

Beijo!

Hev disse...

Rô, ok amiga, podemos falar sobre isso sim querida.
Ju, tenho alguns estudos sobre o pecado visto de forma pessoal e coletiva por Deus, podemos compartilhar disso posteriormente. Beijos!

Removendo as pedras ... disse...

amiga vc não tem noção como ´bom ler todo final do dia um post seu me faz sentir bem
mas vai uma reclamação tenque ser todo diaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
amo muito vc sabe né
bjs

Postar um comentário